Terapia Cognitiva

A Terapia Cognitiva baseia-se na suposição pressuposto de que os afetos e os comportamentos de uma pessoa são determinados pelo seu modo de pensar. A experiência pessoal nos leva a formar conceitos sobre nós mesmos e sobre o mundo, que formam um sistema de valores e crenças, que influenciarão os comportamentos e atitudes na vida de uma pessoa.

Quando essa conceituação não é funcional, ou seja, traz sofrimento para a pessoa, formam-se as crenças disfuncionais, que estão associados a emoções desagradáveis. Estes pensamentos interferem nas interpretações de experiências atuais, previsões sobre eventos futuros ou lembranças de fatos passados.

A Terapia Cognitiva tem como objetivo corrigir estes padrões distorcidos de pensamentos e crenças, fazendo com que as pessoas modifiquem suas emoções e comportamentos de forma a atingirem seu bem estar

Alguns princípios da Terapia Cognitiva:

  • A terapia cognitiva requer uma aliança terapêutica segura: cordialidade, empatia, atenção, respeito genuíno e competência;
    A terapia cognitiva enfatiza colaboração e participação ativa: a terapia deve ser vista como um trabalho em equipe, sendo o terapeuta mais ativo, apenas no princípio do tratamento;
    A terapia cognitiva é orientada em metas e focalizada em problemas: nas sessões iniciais, enumeramos os problemas e estabelecemos metas e submetas específicas para cada um deles;
    A terapia cognitiva enfatiza o presente. A atenção volta-se para o passado em três circunstâncias: quando o cliente mostra forte predileção; quando o trabalho voltado para os problemas atuais produz pouca ou nenhuma mudança cognitiva; e, quando o terapeuta julga importante compreender como e quando idéias disfuncionais se originaram e como afetam o presente;
    A terapia cognitiva é educativa: visa ensinar o cliente a ser seu próprio terapeuta e enfatiza a prevenção da recaída;
    As sessões de terapia são estruturadas, independentemente do diagnóstico ou do momento do tratamento. Seguir um formato estabelecido torna o processo mais compreensível para o cliente e aumenta a propensão de que ele será capaz de fazer autoterapia no futuro;
    A terapia cognitiva utiliza uma variedade de técnicas para mudar pensamento, emoção e comportamento.

Por que a junção das duas abordagens?

A Entrevista Motivacional tem como premissa resolver um conflito e motivar para a mudança. Tomada essa decisão, surge a importância de trabalhar as crenças – pensamentos da pessoa com o intuito de que as mesmas não interfiram nessa mudança.

Por exemplo: Um dependente de álcool se motiva a parar de beber. Se ele pensar que não é capaz de ter uma vida social ativa sem beber, esse pensamento pode colocar em detrimento a sua motivação para a mudança.

Por que uso a terminologia Cliente e não Paciente?

Porque dentro dessas abordagens a pessoa tem um papel ativo na mudança e um paciente é aquele que apenas recebe a ação de um agente. A psicoterapia facilita a pessoa ter o controle de sua vida, aumentando sua auto-eficácia e autoestima.