Home » Blog » Aplicações Clínicas da Entrevista Motivacional nas Prisões

Aplicações Clínicas da Entrevista Motivacional nas Prisões

Em 2003, uma intervenção de entrevista motivacional foi introduzida em um sistema prisional sueco. Um folheto foi distribuído, convidando os encarcerados a participarem do programa e a conversarem, confidencialmente, com um profissional. O folheto assegurou aos clientes que não existiam respostas certas ou erradas, que nada seria forçado e que o programa se destinava a ajudar os terapeutas a entender como os prisioneiros pensavam sobre o seu futuro. Hoje, a maior parte dos encaminhamentos ao programa é feita pelos próprios encarcerados e existe até uma lista de espera. O número de clientes que completaram o programa saltou de 175 em 2003, para 1.011 em 2006, tornando a entrevista motivacional a intervenção mais proferida no sistema correcional da Suécia.
 
O manual, intitulado Beteende-Samtal-Förändring (BSF. traduzido como Comportamento-Conversa-Mudança, Farbring e Berge. 2003), descreve uma intervenção de entrevista motivacional de cinco sessões semiestruturadas focando o uso de substâncias e no comportamento criminal. As cinco sessões seguem a sequência do modelo de estágios de mudança de Prochaska e DiClemente (1982). Apresenta-se uma taxonomia padronizada para a conversa de mudança, com base no manual de Amrhein (2000).
 
Antes da intervenção em si, o profissional se encontrou com os clientes para apresentar o conceito de mudança e o modelo transteórico, bem como o preenchimento das  escalas SOCRATES e URICA. O cliente foi assegurado sobre o sigilo e também estimulado a escolher, graficamente, seu estágio de mudança, considerando um problema por ele mesmo escolhido . A posição foi avaliada em graus a partir de zero e  usada em comparação com sua posição escolhida após a quinta sessão do programa de entrevista motivacional. O cliente recebeu um livro contendo todos os exercícios da intervenção.
 
A primeira sessão consiste em propiciar feedback ao cliente, com base no encontro introdutório. Os tópicos abordados incluiam como a mudança pode aparecer para o cliente, como seus amigos fizeram mudanças, etc. O cliente é incentivado a examinar os diferentes estágios da mudança em relação às diferentes áreas problemáticas.
 
Na segunda sessão, o profissional e o  cliente exploram os aspectos positivos e negativos de manter um comportamento específico. O objetivo explícito é o de encorajar o cliente a ver o lado positivo de mudar e evocar a conversa de mudança. No exercício de “campo de força”,  o cliente é estimulado a designar valores emocionais e argumentos prós e contras ao estado atual. Aqui, o profissional deliberamente evita refletir sobre argumentos prós ao estado atual e evoca aqueles com intenção de mudança. Outros exercícios incluem escalas de disposição de importância, confiança, prioridades e motivação interna e externa sobre fazer a mudança. Nesse exercício, solicita se que os clientes coloquem 10 pesos de 1kg em ambos os lados, descrevendo as motivações internas e externas (por exemplo, pressão familiar) para mudança. Esses exercícios são também repetidos como pós-testes.
 
A terceira sessão apresenta Baralho de Calores Pessoais (Miller C’de Baca Matthews Values Card Sort e Wilbourne, 2001 – temos a versão adaptada ao português https://www.artesaeditora.com.br/livro-valores-pessoais-9786586140491,fig037.html). O cliente deve registrar seus valores mais importantes no livro de exercícios e explorar as discrepâncias entre esses valores e seu comportamento pessoal atual, a fim de evocar a conversa de mudança. O exercício foca o lado emocional das diferenças entre o estado atual e as alternativas de mudança. Esse exercício recorre às emoções – consideradas o motor,  sem o qual a mudança não tende a ocorrer. “John, quando você roubava seus pais para comprar crack, como isso afetou seu relacionamento com as pessoas que ama? O que disseram e como se sentem com isso?”. Como muitos já disseram, não existiriam fumantes no mundo se apenas a compreensão racional fosse suficiente para mudar o comportamento.
 
A quarta sessão se refere à balança decisória da segunda sessão e estabelece conexões com  um mapa de rede social e uma reconstrução dos comentários negativos dos membros da família sobre seu estilo de vida. A rede social do cliente é uma causa primária de recaída. A maioria dos clientes em sistemas correcionais precisa promover mudanças em relacionamentos a fim de eliminar ou diminuir as associações antissociais.
 
A quinta sessão elicia os pontos fortes e as qualidades pessoais do cliente. Erros anteriores podem ter desgastado a autoeficácia. O cliente é ensinado a planejar novamente o que considerou como sendo fracasso. O exercício consiste no cliente registrar todas as qualidades e recursos que possui. O quinto encontro deve resultar em uma anotação positiva acerca da conversa de mudança. Por isso, existe uma opção entre criar um plano de mudança a curto prazo e um exercício no qual o cliente é convidado a imaginar o futuro. Se o cliente não estiver disposto a fazer um plano concreto, a mudança pode ser mais aceitável na forma hipotética. “Sei que você não se sente bem com isso agora, mas se tivesse de dar alguns passos em direção à mudança, o que seria mais adequado para você?” (Farbring, 2003). O planejamento “e se” pode preparar o terreno para uma nova estruturação cognitiva. O encontro termina com o preenchimento dos pós-testes e do formulário de avaliação. Por fim, pergunta-se ao cliente se ele está interessado em uma sessão de seguimento em alguns meses.
 
Referência:
Entrevista Motivacional no Tratamento de Problemas Psicológicos. Hal Arkowitz; Henny A. Westra; William  Miller; Stephen Rollnick. São Paulo: Roca, 2011.