Comparação de Entrevista Motivacional com Terapia de Aceitação e Compromisso: Uma revisão conceitual e clínica

 

Contexto: A Entrevista Motivacional (EM) e a Terapia de Aceitação e Compromisso (ACT) são duas terapias emergentes que se concentram no compromisso com a mudança de comportamento.

Objetivo: Fornecer a primeira revisão sistemática da EM com a ACT.

MÉTODO: Foi realizada uma comparação sistemática da EM e ACT em nível conceitual, com foco em suas bases filosóficas e teóricas, e em nível clínico, com foco na relação terapêutica, uso da linguagem e uso de valores na terapia.

RESULTADOS: Conceitualmente, EMI e ACT têm bases filosóficas distintas. A base teórica da EM se concentra no conteúdo da linguagem, enquanto a base teórica do ACT se concentra na aceitação e  consequente experimentação de  pensamentos, sentimentos e sensações decorrentes dessa aceitação. Clinicamente, o ACT e a EM têm abordagens distintas para o relacionamento terapêutico, focos fundamentalmente diferentes na linguagem do cliente e diferentes usos dos valores do cliente para motivar a mudança de comportamento.

CONCLUSÕES: Apesar de suas diferenças conceituais e clínicas, a EM e a ACT são intervenções complementares. As colaborações entre os pesquisadores da EM e da ACT podem produzir uma um campo fértil para pesquisa sobre processos centrais e resultados clínicos.

Referência:

Bricker, J. & Tollison, S. (2011). Comparison of Motivational Interviewing with Acceptance and Commitment Therapy: A conceptual and clinical review. Behavioural and Cognitive Psychotherapy, 39, 541–559.

” Coaching Athletes to Be Their Best: Motivational Interviewing in Sports”

 

” Coaching Athletes to Be Their Best: Motivational Interviewing in Sports”

Stephen RollnickJonathan FaderJeff Breckon, and Theresa B. Moyers

Idioma: Inglês      Ano: 2019

Guilford Press

Para se mensurar um grande treinador é preciso avaliar se ele está extraindo o  melhor dos atletas. Este é o primeiro guia de Entrevista Motivacional (EM) dirigido para treinadores, psicólogos do esporte, especialistas em treinamento e reabilitação entre outros – uma abordagem que comprovadamente aproveita o poder da conversação para construir relacionamentos e auto confiança. O livro revela porque as formas convencionais de dar feedback e resolver conflitos geralmente são contraproducentes e apresenta métodos testados e aprovados para ajudar os atletas a prosperar. Os principais psicólogos do esporte e especialistas em MI – incluindo  Stephen Rollnick – fornecem estratégias eficazes para estimular a motivação, promover a apropriação de objetivos pessoais, resolver problemas de comportamento dentro e fora do campo, aprimorar o desempenho e melhorar o trabalho em equipe. Estão incluídos exemplos passo a passo e histórias inspiradoras de treinadores. Os compradores têm acesso a uma página da Web na qual podem baixar e imprimir as folhas de referência rápida reproduzíveis do livro sobre as principais habilidades de EM.

Terapia Comportamental Dialética e a Entrevista Motivacional: convergência conceitual, compatibilidade e estratégias para integração

 

A terapia comportamental dialética (DBT) e a entrevista motivacional (EM) são duas intervenções psicossociais amplamente usadas e eficazes. Um número imenso e crescente de estudos examina DBT, EM ou adaptações dessas abordagens em diversos contextos de tratamento e em várias populações clínicas. Como o DBT e a EM estão em alta demanda, é provável que profissionais encontrem uma ou ambas abordagens ao longo de suas carreiras. Embora o EM e a DBT tenham evoluído inicialmente em contextos distintos para diferentes populações, essas abordagens compartilham vários princípios fundamentais comuns. Cada uma fornece estratégias distintas e complementares para aumentar a motivação e a capacidade de mudança dos clientes. Para alguns, uma aplicação integrada ou sequenciada da EM e DBT pode aprimorar o atendimento ao cliente. O presente artigo destaca áreas de divergências, convergências e oportunidades de integração e oferece dicas práticas para aplicar DBT e EM em conjunto.

Referência:

Erin A. Kaufman, Antoine Douaihy, Tina R. Goldstein. Dialectical Behavior Therapy and Motivational Interviewing: Conceptual Convergence, Compatibility, and Strategies for Integration. Cognitive and Behavioral Practice August 2019. https://doi.org/10.1016/j.cbpra.2019.07.004

Depoimento de aluna que realizou os 3 módulos do curso de Entrevista Motivacional

Thaís dos Reis Vilella, 35 anos, Psicóloga:

* O que eu mais gostei: de aprofundar meus conhecimentos em ETM. Os exercícios práticos foram os grandes diferenciais do curso, obviamente somados a experiência da Nelo, que domina o assunto como ninguém.

* O que menos gostei

* Como a ETM pode contribuir no meu trabalho: O curso com certeza contribuirá para o meu trabalho e nesse momento eu já colho os frutos de uma postura alinhada com o espirito da ETM. Acredito que todos os clientes poderão se beneficar, principalmente aqueles não tão motivados, mas também nos dilemas que fazem parte da vida de todos.

* Como o ETM mudou a forma de ver o cliente: Hoje fico mais sensível aquilo que o cliente traz, ao que ele me fala e procuro respeitar sua historia, suas escolhas e suas prioridades.

* Sugestões para os próximos cursos: Manter os exercícios práticos! Eles fizeram toda a diferença.

* Após realizar os 3 módulos de ETM eu posso dizer que

Me sinto mais segura para atuar com base no que aprendi.

Hoje sim eu posso dizer que conheço e sei aplicar ETM.

 

Explorando Objetivos e Valores

ETM Arte rosa - sobre etm

A EM não reconhece que haja um ser humano que esteja desmotivado; ao contrário, ele está sempre motivado. As pessoas estão motivadas para buscarem recursos para suprirem suas necessidades mais básicas. E buscam não somente a realização da necessidade propriamente dita, como também a satisfação nesta realização, como comer uma comida gostosa e dormir em uma cama quentinha e confortável. E ainda assim, quando todas estas necessidades são satisfeitas, o ser humano se motiva para a realização de necessidades mais elevadas. A pirâmide de Maslow que divide as necessidades humanas em níveis hierárquicos ilustra muito bem esta perspectiva. Porém, nem sempre temos claramente traçados quais são os nossos valores a serem preservados e objetivos a serem alcançados, ainda que eles sempre existam. Desta forma, para que haja a realização destas motivações intrínsecas, é necessário que o ser humano minimamente os reconheça e os identifique. O trabalho em prol deste reconhecimento traz valiosos recursos para que o cliente possa começar a construir o seu projeto de vida.

A EM se propõe a auxiliar neste processo, por reconhecer tratar-se de uma valiosa oportunidade de construir e fortalecer a aliança terapêutica com o cliente. O cliente se sente reconhecido, valorizado e motivado, quando o profissional se dispõe a identificar junto com ele, seus potenciais humanos únicos. Esta construção permite ainda, mais um recurso para a resolução da ambivalência, uma vez que a reflexão sobre os valores da vida do cliente, permite que ele possa demonstrar a discrepância entre a pessoa que ele gostaria de ser e a pessoa que ele tem sido até o presente momento. Esta situação, por sua vez, traz matéria-prima de trabalho para o profissional. Vale ressaltar, contudo, que a reflexão destes valores se dá a partir daquilo que é importante para o próprio cliente e em nenhum momento o referencial de valores do profissional tem espaço. Assim, o profissional deve fazer um auto-monitoramento constante para não cair em armadilhas que possam confrontar o cliente em valores que são opostos aos seus, ou induzi-lo a pensar em ter como metas ações que sejam, na verdade, objetivos a serem alcançados pelo próprio profissional.

 

Referência: Miller, W. R.; Rollnick, S. Motivational Interview – helping people change. 3. ed. New York: The Guilford Press, 2013.