” Coaching Athletes to Be Their Best: Motivational Interviewing in Sports”

 

” Coaching Athletes to Be Their Best: Motivational Interviewing in Sports”

Stephen RollnickJonathan FaderJeff Breckon, and Theresa B. Moyers

Idioma: Inglês      Ano: 2019

Guilford Press

Para se mensurar um grande treinador é preciso avaliar se ele está extraindo o  melhor dos atletas. Este é o primeiro guia de Entrevista Motivacional (EM) dirigido para treinadores, psicólogos do esporte, especialistas em treinamento e reabilitação entre outros – uma abordagem que comprovadamente aproveita o poder da conversação para construir relacionamentos e auto confiança. O livro revela porque as formas convencionais de dar feedback e resolver conflitos geralmente são contraproducentes e apresenta métodos testados e aprovados para ajudar os atletas a prosperar. Os principais psicólogos do esporte e especialistas em MI – incluindo  Stephen Rollnick – fornecem estratégias eficazes para estimular a motivação, promover a apropriação de objetivos pessoais, resolver problemas de comportamento dentro e fora do campo, aprimorar o desempenho e melhorar o trabalho em equipe. Estão incluídos exemplos passo a passo e histórias inspiradoras de treinadores. Os compradores têm acesso a uma página da Web na qual podem baixar e imprimir as folhas de referência rápida reproduzíveis do livro sobre as principais habilidades de EM.

Motivar os residentes a mudar a comunicação: o papel de uma aula breve sobre Entrevista Motivacional.

 

 

Lisa Renee Miller-Matero, Erin T. Tobin, Elizabeth Fleagle, Joseph P. Coleman and Anupama Nair

 

A Entrevista Motivacional (EM) é uma abordagem centrada na pessoa que incentiva pacientes para mudar comportamentos. Os programas de treinamento em EM aumentaram o conhecimento dos residentes e uso de habilidades de EM. No entanto, muitos programas de residência podem não ter tempo suficiente para o ensino da EM. O objetivo deste estudo foi avaliar os benefícios de uma aula de EM breve aos residentes em uma clínica médica acadêmica de medicina.

Métodos: Trinta e dois residentes concluíram um treinamento de 1 hora sobre EM entre outubro de 016 e junho 2017 e completaram uma avaliação sobre seu conhecimento e confiança na utilização de EM  antes do treinamento, imediatamente após e em um mês de seguimento.

Resultados: O conhecimento e a confiança dos residentes usando as habilidades de EM aumentou desde o pré-teste, pós-teste e no seguimento de 1 mês.

Conclusão: A utilização das habilidades em EM aumentou do pré-teste até o seguimento de 1 mês. Uma aula de 1 h oferece benefícios aos residentes.

Referência:

 

Miller-Matero LR, Tobin ET, Fleagle E, Coleman JP, Nair A. (2019) Motivating residents to change communication: the role of a brief motivational interviewing didactic. Primary Health Care Research & Development 20(e124): 1–4. doi: 10.1017/S146342361900015X

 

Confira o artigo na integra:

https://www.cambridge.org/core/services/aop-cambridge-core/content/view/70ED8B205ED96A9C4E7757196B1E2CCE/S146342361900015Xa.pdf/motivating_residents_to_change_communication_the_role_of_a_brief_motivational_interviewing_didactic.pdf

O que é Entrevista Motivacional?

 

A Entrevista Motivacional é um estilo colaborativo de conversação para fortalecer a motivação pessoal e o comprometimento com a mudança. Surgiu em 1983, e tem se mostrado particularmente útil para pessoas ambivalentes, que querem e ao mesmo tempo, não querem se comprometer a mudar determinado comportamento. A ambivalência aqui é compreendida como “um estado mental no qual a pessoa tem sentimentos coexistentes e conflitantes a respeito de alguma coisa” (FIGLIE e col., 2010) . A ambivalência  não é patológica; é uma condição humana.

Inicialmente, em sua primeira edição, a EM concentrava-se em pessoas com problemas relacionados ao álcool e outras drogas. Contudo, logo após sua primeira publicação, várias outras pesquisas foram realizadas e atualmente, existem mais de 160 ensaios clínicos randomizados sobre a abordagem, com uma projeção de duplicação sobre o método a cada três anos (ROLLNICK, 2009). Além disso, a ambivalência, que consiste em uma das matérias-primas da EM, é compreendida como parte da condição humana e por isso, não podia limitar-se somente ao campo das substancias psicoativas e dependências. Percebeu-se, então, que a EM poderia ampliar seu campo de intervenção, sendo encontradas pesquisas sobre asma (SCHMALING, K. B., BLUME, A. W & AFARI, N, 2001), traumatismo craniano (BELL, K.R, 2005), saúde cardiovascular (BECKIE, T.M, 2006), odontologia (WEINSTEIN, P, 2006), diabetes (WEST, D. S. et al, 2007) dietas (BRUG, J. et al, 2007), transtornos da alimentação e obesidade (DUNN, E.C, et al, 2006), família e relacionamentos (CORDOVA, J.V, et al, 2005), jogo patológico (WULFERT, E. et al, 2006), promoção de saúde (ELLIOT, D.L et al, 2007), dentre outros.

A 1ª edição do livro de Entrevista Motivacional aconteceu em 1991, e trouxe  os princípios : Expressar a Empatia; Desenvolver a discrepância; Evitar a argumentação; Acompanhar a resistência e Promover a auto-eficácia. Temos essa edição traduzida e publicada no Brasil, pela editora ARTMED. No entanto, na segunda edição, publicada em 2002, o principio Evitar a argumentação foi suprimido uma vez que a postura do entrevistador motivacional é toda pautada na realização de uma conversa colaborativa e não uma argumentação e persuasão. Também surge a metodologia da EM que consiste na utilização de estratégias a partir da influência do aconselhamento centrado na pessoa e ações diretivas elencadas em fazer perguntas abertas, escutar reflexivamente, encorajar, fazer um resumo daquilo que foi desenvolvido e eliciar afirmações automotivacionais por parte do cliente.

Na 3a edição, publicada em 2012, os princípios dão origem ao Espirito da Entrevista Motivacional, com seus quatro componentes: Colaboração, Aceitação, Compaixão e Evocação, bem como os processos que são sequencialmente compostos pelo engajamento; foco; evocação e por fim o plano de tratamento.

Outro aspecto importante a ser destacado é  sobre o  “ensino” da EM. A  EM é um complexo conjunto de habilidades, assim como tocar um instrumento musical ou praticar um esporte, que é aprendido com a prática ao longo do tempo, de preferência com feedback e supervisão. Daí a importância da atualização.

Por fim , na entrevista motivacional, procura  destituir o profissional do lugar de suposto saber, para um lugar mais pessoal, que realmente é capaz de compreender plenamente o que se passa na realidade do outro e se dispõe a estar com este outro. A aceitação, pressuposta na empatia e compaixão, parece se tornar mais real no processo e com isso , melhora a adesão e o engajamento por parte do cliente.

Neliana Buzi Figlie

 

 

XXIII Congresso Brasileiro da ABEAD

 Aconteceu no final de setembro o XXIII Congresso Brasileiro ABEAD 2015, foi uma honra encontrar com o Psicólogo Craig A. Field, professor associado do Departamento de Psicologia da Universidade do Texas (EUA), que no XXIII Congresso da ABEAD, conferência sobre abordagem para dependentes do álcool com Entrevista Motivacional com a palestra sobre intervenção breve, e todos  amigos e colegas  de trabalho que admiro, foi muito bom!

Mais uma vez tive o prazer de participar e dar  uma aula sobre “Princípios para prevenção e uso de substâncias psicoativas nas escolas¨.

Clique AQUI para ter acesso ao resumo da aula.

Participando no Curso sobre Prevenção com Maristela Monteiro, Sergio de Paula Ramos e Roberta Payá

12092184_1498392000483713_1859497533_n

Com as colegas da Equipe do Bezerra de Menezes

12020002_1496612633994983_3792293509541466594_n

 

Atuando como Coordenadora na Mesa Redonda: Prevenção na Comunidade

Aula:  A história das Comunidades Terapêuticas no Brasil – Egon Schluter

12042153_1498391853817061_943286772_n

Foi muito gratificante poder estar com todos e participar mais um ano do Congresso Brasileiro da ABEAD!

Um grande abraço, Neliana Figlie.