Pensando em fazer uma mudança em sua vida? Este baralho irá ajudá-lo a identificar e pensar sobre as questões importantes para você hoje.




O Baralho de Valores Pessoais foi criado em 2001 por William R. Miller, Janet C’de Baca, Daniel B. Matthews e Paula L. Wilbourn, com o objetivo de incentivar a exploração de valores pessoais de modo a eliciar a fala de mudança, que é precursora da modificação de comportamentos, segundo o referencial da Entrevista Motivacional.

Em 2011, foi atualizado para incluir mais valores até a versão atual. Vale destacar que a versão aqui disponibilizada foi adaptada a realidade brasileira por Neliana Buzi Figlie, além de contar com os feedbacks obtidos por parte de profissionais brasileiros que realizaram o Treinamento em Entrevista Motivacional.

Tem como objetivo classificar 100 valores em grau de importância de modo a incentivar a exploração de valores pessoais. Uma vez que os valores foram classificados e priorizados, segue um questionamento reflexivo por meio de perguntas que podem ser em formato escrito ou verbal, com vistas a aprofundar a conexão de valores para qualquer crescimento individual ou profissional.

Veja alguns exemplos:

  • Como que os valores que você escolheu se alinham com as suas escolhas de vida?
  • Como que os valores que você escolheu se alinham com as suas escolhas profissionais ou sua situação de tratamento – vida?
  • Se houver um desalinhamento de valores para as escolhas, que mudanças você poderia fazer para trazê-los de volta para o alinhamento?
  • Partilhar os seus valores com terceiros, facilita a explicação do seu significado pessoal de cada valor.

Referências: Miller, W. R.; Rollnick, S. Motivational Interview – helping people change. 3. ed. New York: The Guilford Press, 2013.

Figlie, NB. https://www.artesaeditora.com.br/livro-valores-pessoais-9786586140491,fig037.html

William R. Miller, Janet C’de Baca, Daniel B. Matthews, e Paula L. Wilbourn. Personal Values Cards, 2001 (1ª edição). Disponível em:  https://casaa.unm.edu/inst/Personal%20Values%20Card%20Sort.pdf

Compaixão como motivação

Na compaixão, o sofrimento é um sinal de angústia e o apropriado repertorio comportamental envolve a aquisição de sabedoria e habilidades para atuação preventiva ao aliviar o sofrimento do outro. Todos os motivos, sejam quais forem (alimentação, sexo, status econômico, saúde) são envolvidos com sensibilidade e com apropriado repertorio comportamental. O valor do carinho envolvente para o outro tem vantagens potenciais de sobrevivência e ajuda que culminam na cooperação mútua.

A ideia é explorar e envolver o cliente no processo de mudança ao identificar suas necessidades e competências com compaixão. O ser humano evoluiu competências sociais inteligentes que são importantes para o engajamento e ação de prevenção do sofrimento.

Este estudo embasa o valor da compaixão na saúde física e mental e nas relações sociais, que proliferaram nos últimos 25 anos. Embora existam várias conceitualizações e medidas de compaixão, este estudo desenvolve três novas medidas de competências de compaixão derivadas de uma abordagem evolucionária e motivacional. As escalas avaliam 1. a compaixão que sentimos pelos outros; 2. a compaixão que sentimos dos outros; e 3. a autocompaixão com base em uma definição padrão de compaixão como uma ‘sensibilidade ao sofrimento em si mesmo e nos outros com o compromisso de tentar aliviar e prevenir ‘.

Referência: Gilbert, P., Catarino, F., Duarte, C. et al. The development of compassionate engagement and action scales for self and others. J of Compassionate Health Care 4, 4 (2017). https://doi.org/10.1186/s40639-017-0033-3

Motivational Interviewing with Offenders Engagement, Rehabilitation, and Reentry

 

Jill D. Stinson and Michael D. Clark

Applications of Motivational Interviewing Series, edited by Stephen Rollnick, William R. Miller, and Theresa B. Moyers.

Guilford Press    Ano: 2017

 

Escrito por especialistas que trabalham  com populações assistidas por  tribunais, este livro mostra como entrevista motivacional pode ajudar os infratores a ir além da resistência ou da complacência superficial e conseguir uma mudança de comportamento significativa. O uso da Entrevista Motivacional evidencia a promoção da reabilitação e a reintegração,  baseando-se nos valores, objetivos e pontos fortes dos clientes – não simplesmente dizendo-lhes o que fazer.

Os autores descrevem claramente as estratégias centrais da Entrevista Motivacional  e  exemplos de diálogos na justiça penal e configurações forenses. De importância crucial, o livro aborda a implementação da Entrevista Motivacional nos sistemas de reabilitação de agressores, incluindo estratégias práticas para superar obstáculos.

Liga da Prevenção às Drogas e Álcool * Premiação!

A “Liga da Prevenção” e uma ação não governamental promovida por ativistas, especialistas que promovem a prevenção às drogas e álcool no Estado de São Paulo.

Parabens Florentino, Sérgio Castilho e Rogério Menan pela nobre iniciativa!

Maiores informações no facebook: Liga da Prevenção às Drogas e Álcool

A Liga da Prevenção, premiou em 6 de novembro de 2015, em São Paulo, os melhores do ano na área de prevenção às drogas. A honraria é o reconhecimento ao trabalho de dezenas de voluntários, especialistas, órgãos públicos e entidades em favor da conscientização e prevenção para os males causados pelo uso e abuso de substâncias psicoativas.

IMG_0565

Com o  querido aluno Marcos Cunha

IMG_0557

Com os meus troféus!

12231108_1515944392061807_282337376_n

12233347_1515944332061813_97548676_n

Agradeço imensamente o “Prêmio Master de Prevenção”, mas deixo aqui o meu comentário sobre o slogan:

Eu quero , eu posso, eu consigo fazer prevenção em meu estado!

De fato eu quero, posso  , mas o conseguir envolve investimento publico  em um pais com uma mentalidade puramente curativa, em que a maior parte dos tratamentos são oriundos dos grupos de auto ajuda e religiosos ( Ressalva aqui : admiro o trabalho dos grupos de auto ajuda e dos religiosos – sou fã !!) . Neste contexto , muitas vezes fazer prevenção é uma batalha árdua, pois muitas vezes o estado joga para a sociedade pagar uma conta que não consegue arcar.

Precisamos de atuações mais técnicas e pautadas em evidências . Já temos os caminhos, lições aprendidas e o como fazer . Mas precisamos de condições e recursos para termos de verdade a juventude mais protegida do uso de álcool, tabaco e outras drogas.