VALE E PENA LER …

A escolha é sua: e quanto à maconha? Diário ajuda os clientes a reavaliar seu uso

E a maconha? É uma questão na mente de clientes e conselheiros. Em um extremo está a ideia de que a cannabis é uma droga inofensiva, muito menos perigosa do que o tabaco ou o álcool. No outro extremo está uma perspectiva de tolerância zero – nenhum uso de qualquer droga psicoativa é aceitável. A maioria das pessoas se encontra em algum lugar no meio.

Então, o que dizemos aos nossos clientes? Essa é a pergunta que tínhamos em mente ao desenvolver o Jornal Interativo E sobre a maconha? como um recurso clínico. Este Jornal não é uma ferramenta de prevenção universal, mas foi elaborado especificamente para ser ministrado a clientes que  estejam usando cannabis , muitas vezes em combinação com outras drogas. Pode ser usado como uma intervenção independente ou discutido como parte do aconselhamento individual ou em grupo.

Desenvolvemos este diário interativo a partir de uma perspectiva de entrevista motivacional, convidando os clientes a dar uma olhada honesta em seu próprio uso de maconha e a tomar suas próprias decisões. Na verdade, essa liberdade de escolha não pode ser retirada. Dizer às pessoas “você não pode” é tão ineficaz quanto punição ou táticas de intimidação. É melhor dizer a verdade e reconhecer que as pessoas vão decidir por si mesmas.

Então, qual é a verdade sobre a maconha? Há um grande e crescente corpo de literatura de pesquisa que, sem surpresa, oferece resultados mistos. Fazemos nosso melhor neste Journal para oferecer uma avaliação justa e ajudar os clientes a pesar suas próprias motivações atuais para o uso em comparação com os riscos potenciais. Oferecemos uma autoavaliação com feedback individual, bem como correção de normas para contrabalançar a superestimativa comum dos usuários sobre a prevalência do uso de maconha. Os clientes podem comparar sua própria experiência com os sintomas diagnósticos de um transtorno por uso de substâncias. Em termos de riscos potenciais, incluímos seções baseadas em evidências sobre os efeitos do uso de maconha na saúde física, cérebro, sono, direção, relacionamentos, motivação e doença mental. Incluímos informações de autoavaliação sobre tolerância, bem como dependência física e psicológica.

Em uma seção final, pedimos aos leitores que avaliem sua importância e confiança para a mudança, oferecendo um menu de estratégias de automudança para escolher. Os leitores são convidados a considerar os efeitos positivos que esperavam experimentar com a maconha – e a explorar caminhos livres de drogas ou “novos caminhos” como alternativas.

No final das contas, as escolhas dos clientes são deles. Este diário é um recurso honesto para a ciência, construído em um método clínico baseado em evidências para ajudar as pessoas a fazerem escolhas saudáveis.

Referência: It’s Your Choice: What About Marijuana? Journal Helps Clients Reevaluate Their Use

William R. Miller, PhD, and Denise D. Walker, PhD

www.changecompanies.net

Por que a Entrevista Motivacional surgiu?

Mudar é difícil. Por muito tempo, os psicoterapeutas pensaram que a chave para fazer os pacientes mudarem era ajudá-los a identificar as barreiras que os impediam. A teoria era oferecer ajuda na identificação dos motivos que impedem a mudança de modo a encontrar uma maneira de eliminá-los, superá-los ou evitar esses obstáculos. Tudo o que você precisava fazer era continuar falando até que todas as barreiras psicológicas e não psicológicas fossem identificadas e removidas, e então o paciente faria as mudanças que tanto desejava e precisava fazer.

Apenas, não funcionou. Muitas barreiras foram identificadas e muitas foram superadas, mas as pessoas ainda tinham problemas para mudar. Além disso, parecia haver um estoque infinito de razões para não mudar. Justamente quando alguém superava um desafio, outro surgia em seu lugar.

Então, um dia, dois profissionais brilhantes, William R. Miller e Stephen Rollnick, tiveram uma ideia. E se o motivo de estarmos tendo tantos problemas para fazer as pessoas mudarem é porque passamos todo o nosso tempo falando sobre motivos para não mudar, em vez de motivos para mudar? E se estivermos realmente persuadindo os pacientes de que a mudança não é desejável ou possível?

Essa ideia se tornou a base para uma nova teoria que dizia que, quando se trata de transformar seu comportamento, as pessoas são ambivalentes. Existem pessoas que desejam se comportar de maneira diferente, ao mesmo tempo que existem outros que desejam continuar do jeito que estão. A melhor maneira de ajudá-los a alcançar a transformação é apoiar e nutrir o que estas pessoas querem mudar, e  não focar apenas o que as impede de mudar.

Ouvir Bem: A Arte da Compreensão Empática



Você é um bom ouvinte? Quão bem você realmente conhece as pessoas ao seu redor? A capacidade de compreensão empática é intrínseca em nossas mentes, mas sua expressão plena envolve habilidades de escuta particulares que raramente são aprendidas através da experiência comum. Por meio de explicações claras, exemplos específicos e exercícios práticos, o Dr. Miller oferece um processo passo a passo para desenvolver sua habilidade na escuta empática. Com base sólida em sessenta anos de pesquisa científica, essas habilidades de comunicação não se limitam aos profissionais e podem ser aprendidas e aplicadas em sua vida cotidiana. Em vez de assumir que você sabe o significado daquilo que acha que ouviu, a escuta empática permite que você desenvolva uma compreensão mais precisa e evite a falta de comunicação. A compreensão empática pode ajudar a aprofundar os relacionamentos pessoais, aliviar conflitos, comunicar-se entre as diferenças e promover mudanças positivas. O autor também discute habilidades para se expressar claramente e para fortalecer relacionamentos e amizades. Por meio da compreensão empática, você tem acesso à experiência de vida muito além da sua, e com o tempo, ouvir bem e profundamente se torna um modo de ser, promovendo uma aceitação compassiva e paciente das fragilidades humanas – as dos outros e as suas.
Confira!
Referência: Listening Well: The Art of Empathic Understanding
William R. Miller
Idioma: Inglês    
Ano: 2018
Wipf & Stock

Pensando em fazer uma mudança em sua vida? Este baralho irá ajudá-lo a identificar e pensar sobre as questões importantes para você hoje.




O Baralho de Valores Pessoais foi criado em 2001 por William R. Miller, Janet C’de Baca, Daniel B. Matthews e Paula L. Wilbourn, com o objetivo de incentivar a exploração de valores pessoais de modo a eliciar a fala de mudança, que é precursora da modificação de comportamentos, segundo o referencial da Entrevista Motivacional.

Em 2011, foi atualizado para incluir mais valores até a versão atual. Vale destacar que a versão aqui disponibilizada foi adaptada a realidade brasileira por Neliana Buzi Figlie, além de contar com os feedbacks obtidos por parte de profissionais brasileiros que realizaram o Treinamento em Entrevista Motivacional.

Tem como objetivo classificar 100 valores em grau de importância de modo a incentivar a exploração de valores pessoais. Uma vez que os valores foram classificados e priorizados, segue um questionamento reflexivo por meio de perguntas que podem ser em formato escrito ou verbal, com vistas a aprofundar a conexão de valores para qualquer crescimento individual ou profissional.

Veja alguns exemplos:

  • Como que os valores que você escolheu se alinham com as suas escolhas de vida?
  • Como que os valores que você escolheu se alinham com as suas escolhas profissionais ou sua situação de tratamento – vida?
  • Se houver um desalinhamento de valores para as escolhas, que mudanças você poderia fazer para trazê-los de volta para o alinhamento?
  • Partilhar os seus valores com terceiros, facilita a explicação do seu significado pessoal de cada valor.

Referências: Miller, W. R.; Rollnick, S. Motivational Interview – helping people change. 3. ed. New York: The Guilford Press, 2013.

Figlie, NB. https://www.artesaeditora.com.br/livro-valores-pessoais-9786586140491,fig037.html

William R. Miller, Janet C’de Baca, Daniel B. Matthews, e Paula L. Wilbourn. Personal Values Cards, 2001 (1ª edição). Disponível em:  https://casaa.unm.edu/inst/Personal%20Values%20Card%20Sort.pdf

Compaixão como motivação

Na compaixão, o sofrimento é um sinal de angústia e o apropriado repertorio comportamental envolve a aquisição de sabedoria e habilidades para atuação preventiva ao aliviar o sofrimento do outro. Todos os motivos, sejam quais forem (alimentação, sexo, status econômico, saúde) são envolvidos com sensibilidade e com apropriado repertorio comportamental. O valor do carinho envolvente para o outro tem vantagens potenciais de sobrevivência e ajuda que culminam na cooperação mútua.

A ideia é explorar e envolver o cliente no processo de mudança ao identificar suas necessidades e competências com compaixão. O ser humano evoluiu competências sociais inteligentes que são importantes para o engajamento e ação de prevenção do sofrimento.

Este estudo embasa o valor da compaixão na saúde física e mental e nas relações sociais, que proliferaram nos últimos 25 anos. Embora existam várias conceitualizações e medidas de compaixão, este estudo desenvolve três novas medidas de competências de compaixão derivadas de uma abordagem evolucionária e motivacional. As escalas avaliam 1. a compaixão que sentimos pelos outros; 2. a compaixão que sentimos dos outros; e 3. a autocompaixão com base em uma definição padrão de compaixão como uma ‘sensibilidade ao sofrimento em si mesmo e nos outros com o compromisso de tentar aliviar e prevenir ‘.

Referência: Gilbert, P., Catarino, F., Duarte, C. et al. The development of compassionate engagement and action scales for self and others. J of Compassionate Health Care 4, 4 (2017). https://doi.org/10.1186/s40639-017-0033-3

Compreendendo o processo de entrevista motivacional: uma revisão das hipóteses relacionais e técnicas

Objetivo: O presente estudo revisa sistematicamente as evidências de um modelo causal sugerido por Miller e Rose para explicar a eficácia da Entrevista Motivacional (EM).

Método: pesquisas bibliográficas foram conduzidas para identificar estudos que utilizaram a EM em um formato individual para tratar várias áreas problemáticas.

Resultados: Trinta e sete estudos preencheram os critérios de inclusão. Os resultados sugerem que, quando os médicos utilizam comportamentos consistentes com EM os clientes têm maior probabilidade de expressar uma linguagem a favor da mudança. Além disso, essa linguagem do cliente foi consistentemente relacionada ao resultado positivo do cliente em todos os estudos.

Conclusões: Embora os resultados apoiem algumas partes do modelo de Miller e Rollnick, pesquisas adicionais são necessárias para confirmar as descobertas em diversas populações. Compreender os mecanismos da eficácia do EM pode maximizar a implementação do EM, contribuindo potencialmente para melhores resultados para o cliente.

Referência: Mia Romano, Lorna Peters. Understanding the process of motivational interviewing: A review of the relational and technical hypotheses. Psychotherapy (Chic). 2013 Sep;50(3):273-8. doi: 10.1037/a0032409

Entrevista motivacional e balança decisória: respostas contrastantes à ambivalência do cliente

Contexto: Uma recomendação nas descrições originais de entrevista motivacional (EM) é “explorar a ambivalência”. Procedimentos contrastantes para fazer isso foram esclarecidos por meio da evolução da mesma.

Objetivos: Este artigo descreve dois métodos conceitualmente distintos para responder à ambivalência na EM: balança decisória (DB) e evocação da conversa de mudança, e analisa as evidências empíricas para recomendar quando cada procedimento é apropriado (e inadequado) na prática clínica.

Método: os autores resumem os resultados da pesquisa baseados em resultados clínicos para examinar como essas duas intervenções impactam a resolução da ambivalência no cliente.

Resultados: Com pessoas ambivalentes, uma intervenção de DB tende a diminuir o compromisso com a mudança, enquanto a evocação (um elemento-chave do EM) promove a mudança. Quando uma pessoa já tomou a decisão de mudar, a evocação é desnecessária e pode impedir a mudança, enquanto o DB pode fortalecer ainda mais o compromisso.

Conclusões: DB é um procedimento apropriado quando o clínico deseja manter a neutralidade e não favorecer a resolução da ambivalência em qualquer direção particular. A evocação é apropriada quando o clínico pretende ajudar os clientes a resolver a ambivalência na direção da mudança.

Referência: William R Miller, Gary S Rose . Motivational interviewing and decisional balance: contrasting responses to client ambivalence. Psychother Res 2016;26(2):220-40.  doi: 10.1080/10503307.2014.954154. 

As raízes da Entrevista Motivacional

Fala do DR Miller no MINT Virtual Forum,18 – 30/01/2021.

Tema da Conferência: Whats makes helpers helpful? O que torna os profissionais úteis?

·         O poder da empatia acurada

·         Importância do espírito do Entrevistador Motivacional  (Parceria – Aceitação – Compaixão – Evocação)

·         A importância do estilo do profissional (acolhedor, escuta ativa e sem julgamentos)

·         As diferenças no estilo dos profissionais afetam os resultados da EM

·         Evitar a persuasão

·      Utilização da   EM combinada com diferentes tipos de tratamento

·        O impacto similar da EM quando comparada com tratamentos intensivos

De acordo com Rollnick e Miller, a EM é um estilo de conversa colaborativa voltado para o fortalecimento da própria motivação e comprometimento do cliente para com uma mudança. Por se tratar de uma abordagem que tem uma meta específica – resolução da ambivalência – é compreendida com caráter de intervenção breve, podendo assim, ser utilizada por uma ampla gama de profissionais, em diferentes serviços.

A EM é uma abordagem que possui uma base teórica e não é meramente um conjunto de técnicas. Além disto, sofre forte influência do local e do profissional que a pratica. A EM almeja, além da mudança no comportamento, agregar uma visão humanista e construtivista nas modificações de comportamentos de risco.

A EM, de tão simples, torna-se complicada. Sua essência básica está na construção de uma aliança terapêutica ativa, pautada na escuta compassiva e reflexiva, de elementos evocados do próprio paciente. Muitas vezes, um feedback claro e objetivo pode ser extremamente motivador  e as pessoas mostram-se mais propensas à mudança quando se sentem livres para fazê-la ou não.

A eficácia da EM será determinada por meio da aplicação da metodologia adequada mediante a prontidão para a mudança em que o cliente se encontra, de forma prática e empática, totalmente oposta a um estilo confrontador e autoritário, podendo ser utilizada em conjunto diversas abordagens teóricas.

Entrevista motivacional: uma nova intervenção para traduzir a pesquisa em reabilitação na prática

Apesar dos avanços recentes na pesquisa em reabilitação, mover as evidências para a prática clínica continua sendo um desafio. Este artigo explora uma nova abordagem para a tradução do conhecimento (KT) com a utilização da  entrevista motivacional (EM). EM é um estilo de comunicação normalmente usado para facilitar a mudança de comportamento relacionada à saúde dos pacientes. O artigo explora seu uso potencial como uma intervenção KT destinada a médicos.

Métodos: A literatura relevante sobre EM e KT é resumida e discutida considerando como a EM pode ser usada em uma estratégia de KT destinada a médicos de reabilitação.

Resultados: A motivação do clínico e a prontidão para mudar são questões-chave que influenciam a implementação da prática baseada em evidências. O artigo sugere que a prontidão dos médicos para mudar as práticas clínicas pode ser potencialmente aumentada por meio de EM. A estrutura conceitual, os princípios e as estratégias da EM, normalmente usados em pacientes, são discutidos aqui no  contexto de aprimorar a mudança clínica na prática.

Conclusões: EM é uma intervenção eficaz quando o objetivo é motivar os indivíduos a mudar um comportamento. Sugerimos que a EM é uma intervenção baseada em evidências que tem se mostrado eficaz na comunicação com pacientes e justifica o estudo como uma intervenção KT promissora.

Referência: Shalini Lal Nicol Korner-Bitensky. Motivational interviewing: a novel intervention for translating rehabilitation research into practice. Behav Cogn Psychother 2015 Mar;43(2):129-41. doi: 10.1017/S1352465813000878. 

Health Behavior Change – A Guide for professionals

 

¨Health Behavior Change – A Guide for professionals¨

(Mudança de comportamento de saúde – um guia para profissionais)

Pip Mason & Christopher C. Butler

Idioma: Inglês     Ano: 2010 2ª edição

Escrito por especialistas de reputação mundial, Health Behavior Change apresenta um método emocionante que pode ser usado para ajudar os pacientes a mudar seus comportamentos nos ambientes hospitalares e comunitários. O método é aplicável a qualquer comportamento, como obesidade,  sedentarismo,  tabagismo, pacientes com doenças crônicas como diabetes e doença cardíaca. Usando intervenções breves e estruturadas, o profissional incentiva o paciente a se encarregar da tomada de decisões sobre sua saúde. Baseia-se na parceria entre profissional e paciente, em vez de dominação de um sobre o outro e é realizada em um espírito de Negociação, invés de confronto.

O texto descreve claramente os princípios fundamentais da ETM na prática. Problemas de resistência e falta de motivação são explorados e estratégias são sugeridas, com exemplos de casos e dilemas clínicos.

Aparência aprimorada com duas cores,  design moderno e resumos dos capítulos ajudam na  assimilação e compreensão.

1 2 3 8