Entrevista com a Dra Neliana Buzi Figlie

Confira matéria com a Dra Neliana Figlie sobre Entrevista Motivacional no tratamento da dependência química publicada no Observatório Brasileiro de Informações Sobre Drogas.

 

Acesse o link: http://mds.gov.br/obid/entrevistas/neliana-buzi-figlie

Depoimento de aluna que realizou os 3 módulos do curso de Entrevista Motivacional

Maria Tereza M Albuquerque, 51 anos, Assistente Social

* O que eu mais gostei: Conseguir internalizar o espírito da ETM. Gosto muito das atividades práticas e foi muito instrutivo o feedback.

* O que menos gostei …

* Como a ETM pode contribuir no meu trabalho: Ajudar de forma mais efetiva, centrada e focada numa nova possibilidade para as pessoas atendidas.

* Como o ETM mudou a forma de ver o cliente: Principalmente respeito a autonomia da pessoa.

* Sugestões para os próximos cursos: Gostei do formato do curso, não é cansativo e a teoria e prática foram aplicadas contribuindo para um aprendizado autêntico.

* Após realizar os 3 módulos de ETM eu posso dizer que: É importante estar aberta para novos desafios, novas perspectivas, sem medo de vivenciar a prática da ETM para sua melhor compreensão, mas acima de tudo a valorização e respeito ao ser humano.

Depoimento de aluna que realizou os 3 módulos do curso de Entrevista Motivacional

Maria Aparecida de Andrade Borges, 52 anos, Psicóloga

* O que eu mais gostei: A maneira respeitosa e compassiva de acompanhar o cliente naquilo que ele entende que é necessário.

* O que menos gostei: Que acabou …

* Como a ETM pode contribuir no meu trabalho: Com a ETM creio que posso me aproximar – do cliente e permitir uma atmosfera – harmoniosa nos atendimentos.

* Como o ETM mudou a forma de ver o cliente: Aprendi a valorizar mais o cliente, a ter escuta reflexiva sobre ele.

* Sugestões para os próximos cursos: Mais tarefa e discussão de atendimentos reais trazidos pelos alunos.

* Após realizar os 3 módulos de ETM eu posso dizer que: A conhecer melhor o que é a ETM, me encantei com essa forma de valorizar o outro tal como ele é ( cliente )

Maria Aparecida de Andrade Borges, 52 anos, Psicóloga

Engajamento na Entrevista Motivacional.

arte estilo do terapeuta

Pesquisas sobre psicoterapia e qualidade da aliança terapêutica, particularmente percebidas pelo cliente, mostram que há uma expectativa acerca de resultados. Os clientes que estão mais engajados são mais propensos a aderir ao tratamento e a qualidade da aliança terapêutica pode influenciar positivamente nestes resultados. O engajamento de uma aliança terapêutica, que já pode começar a ser construído a partir do primeiro atendimento, envolve o estabelecimento de uma relação de confiança e de respeito mútuo de trabalho, acordo sobre metas de tratamento e a colaboração em tarefas mutuamente negociadas para alcançar estes objetivos. Para a EM, o engajamento consiste em uma confiante e respeitosa relação de ajuda, cujo processo terapêutico é construído mutuamente.

Neste contexto, também se faz necessário compreender a ambivalência como a percepção do cliente sobre a importância que ele atribui à mudança, bem como quão confiante se sente para a realização dessa mudança.  Um método simples para avaliar a importância e a confiança é a escala de disposição abaixo:

Quão importante é para você realizar esta mudança? Em uma escala de 0 a 10, sendo o 0 não importante e o 10 extremamente importante, que nota você se daria?

0…1…2…3…4…5…6…7…8…9…10Sem importância                                       Muito importante

 

Quão confiante você se sente para realizar esta mudança? Em uma escala de 0 a 10, sendo o 0 sem confiança e o 10 muito confiante, que nota você se daria?

0…1…2…3…4…5…6…7…8…9…10Sem confiança                                           Muito confiante

Essa escala de disposição pode ser feita informalmente em uma conversa com o cliente ou se o profissional preferir, por meio de uma folha de atividade.

 

Referência: Miller, W. R.; Rollnick, S. Motivational Interview – helping people change. 3. ed. New York: The Guilford Press, 2013.