VALE E PENA LER …

A escolha é sua: e quanto à maconha? Diário ajuda os clientes a reavaliar seu uso

E a maconha? É uma questão na mente de clientes e conselheiros. Em um extremo está a ideia de que a cannabis é uma droga inofensiva, muito menos perigosa do que o tabaco ou o álcool. No outro extremo está uma perspectiva de tolerância zero – nenhum uso de qualquer droga psicoativa é aceitável. A maioria das pessoas se encontra em algum lugar no meio.

Então, o que dizemos aos nossos clientes? Essa é a pergunta que tínhamos em mente ao desenvolver o Jornal Interativo E sobre a maconha? como um recurso clínico. Este Jornal não é uma ferramenta de prevenção universal, mas foi elaborado especificamente para ser ministrado a clientes que  estejam usando cannabis , muitas vezes em combinação com outras drogas. Pode ser usado como uma intervenção independente ou discutido como parte do aconselhamento individual ou em grupo.

Desenvolvemos este diário interativo a partir de uma perspectiva de entrevista motivacional, convidando os clientes a dar uma olhada honesta em seu próprio uso de maconha e a tomar suas próprias decisões. Na verdade, essa liberdade de escolha não pode ser retirada. Dizer às pessoas “você não pode” é tão ineficaz quanto punição ou táticas de intimidação. É melhor dizer a verdade e reconhecer que as pessoas vão decidir por si mesmas.

Então, qual é a verdade sobre a maconha? Há um grande e crescente corpo de literatura de pesquisa que, sem surpresa, oferece resultados mistos. Fazemos nosso melhor neste Journal para oferecer uma avaliação justa e ajudar os clientes a pesar suas próprias motivações atuais para o uso em comparação com os riscos potenciais. Oferecemos uma autoavaliação com feedback individual, bem como correção de normas para contrabalançar a superestimativa comum dos usuários sobre a prevalência do uso de maconha. Os clientes podem comparar sua própria experiência com os sintomas diagnósticos de um transtorno por uso de substâncias. Em termos de riscos potenciais, incluímos seções baseadas em evidências sobre os efeitos do uso de maconha na saúde física, cérebro, sono, direção, relacionamentos, motivação e doença mental. Incluímos informações de autoavaliação sobre tolerância, bem como dependência física e psicológica.

Em uma seção final, pedimos aos leitores que avaliem sua importância e confiança para a mudança, oferecendo um menu de estratégias de automudança para escolher. Os leitores são convidados a considerar os efeitos positivos que esperavam experimentar com a maconha – e a explorar caminhos livres de drogas ou “novos caminhos” como alternativas.

No final das contas, as escolhas dos clientes são deles. Este diário é um recurso honesto para a ciência, construído em um método clínico baseado em evidências para ajudar as pessoas a fazerem escolhas saudáveis.

Referência: It’s Your Choice: What About Marijuana? Journal Helps Clients Reevaluate Their Use

William R. Miller, PhD, and Denise D. Walker, PhD

www.changecompanies.net

Ouvir Bem: A Arte da Compreensão Empática



Você é um bom ouvinte? Quão bem você realmente conhece as pessoas ao seu redor? A capacidade de compreensão empática é intrínseca em nossas mentes, mas sua expressão plena envolve habilidades de escuta particulares que raramente são aprendidas através da experiência comum. Por meio de explicações claras, exemplos específicos e exercícios práticos, o Dr. Miller oferece um processo passo a passo para desenvolver sua habilidade na escuta empática. Com base sólida em sessenta anos de pesquisa científica, essas habilidades de comunicação não se limitam aos profissionais e podem ser aprendidas e aplicadas em sua vida cotidiana. Em vez de assumir que você sabe o significado daquilo que acha que ouviu, a escuta empática permite que você desenvolva uma compreensão mais precisa e evite a falta de comunicação. A compreensão empática pode ajudar a aprofundar os relacionamentos pessoais, aliviar conflitos, comunicar-se entre as diferenças e promover mudanças positivas. O autor também discute habilidades para se expressar claramente e para fortalecer relacionamentos e amizades. Por meio da compreensão empática, você tem acesso à experiência de vida muito além da sua, e com o tempo, ouvir bem e profundamente se torna um modo de ser, promovendo uma aceitação compassiva e paciente das fragilidades humanas – as dos outros e as suas.
Confira!
Referência: Listening Well: The Art of Empathic Understanding
William R. Miller
Idioma: Inglês    
Ano: 2018
Wipf & Stock

Entrevista com a Dra Neliana Buzi Figlie

Confira matéria com a Dra Neliana Figlie sobre Entrevista Motivacional no tratamento da dependência química publicada no Observatório Brasileiro de Informações Sobre Drogas.

 

Acesse o link: http://mds.gov.br/obid/entrevistas/neliana-buzi-figlie

MODULO INTERMEDIÁRIO- ENTREVISTA MOTIVACIONAL

Em continuidade ao curso de Entrevista Motivacional , dia 06 de novembro inicia o Modulo Intermediário, este modulo  é destinado aos profissionais que já aprenderam os fundamentos e estão interessados em aprofundar conceitos e os processos da EM, proporcionando aos participantes uma compreensão do espírito e método da EM, bem como a experiência prática. O foco principal neste nível de formação é aprender a EM por meio da prática.

*Pré requisito: módulo básico ou ex alunos (sujeito a confirmação).

*Para saber mais a respeito visite o site na aba Cursos – Modulo Intermediário.

Também à disposição pelos contatos:

E-mail: contato@nelianafiglie.com.br

Fone: (11) 3807-3327  / (11)2864-8781

 

 

Como aprender Entrevista Motivacional

Para  que a aprendizagem da EM ocorra, é preciso que o profissional tenha como alvo passar por 8 estágios, sendo eles:

  1. Trabalhar em parceria com o cliente, sempre partindo da premissa de reconhecimento que o cliente é o especialista em sua própria vida;
  2. Habilidade em oferecer um aconselhamento centrado no cliente, incluindo empatia precisa;
  3. Reconhecer os aspectos chave das falas do cliente norteadoras para a prática da EM;
  4. Eliciar e fortalecer as falas de mudança do cliente;
  5. Lidar com a resistência;
  6. Negociar um plano de ação;
  7. Consolidar o compromisso do cliente com a mudança;
  8. Ser flexível no uso da EM juntamente com outros estilos de intervenção.

 

Referencia:  Miller, W. R.; Yahne, C. E.; Moyers, T. B. et al. A randomized trial of methods to help clinicians learn motivational interviewing. J. Cons. Clin. Psych., v. 72, n. 6, p. 1050-1062, 2004.